segunda-feira, 26 de outubro de 2009

A POESIA DE ANTÔNIO TAVERNARD

Suposta casa do Poeta Antônio Tavernard, casarão antigo do século passado,
que agoniza em um lento processo de deterioração.

Biografia

Antônio Tavernard nasceu no dia 10 de outubro de 1908, no mês do Círio de Nazaré e por isso foi batizado com o nome de Antônio de Nazareth Frazão Tavernard, filho de Othílio Tavernard e Marieta Frazão Tavernard, na outrora Vila Pinheiro (abreviação de Vila de São João do Pinheiro), atual Icoaraci, distrito de Belém, em um chalé, em estilo português, que ainda pode ser visitado, na rua Siqueira Mendes, número 585.

Aos dezenove anos de idade seu talento para a literatura se revelara quando obtém o segundo lugar no concurso de Contos Nacionais da Revista Primeira. A influência para a literatura vem diretamente de seu pai, leitor de Eça de Queirós, Alexandre Herculano, Machado de Assis, Álvares de Azevedo, dentre outros autores da pequena, mas criteriosa biblioteca. O pai, conforme a informação de Maria Anunciada Chaves, era jornalista, homem de letras, autor de peças de teatro, entre as quais pastorinhas, espécie de auto natalino popular, muito usado na época, vivia Othilio Tavernard modestamente, de seus proventos como funcionário da Santa Casa de Misericórdia e como redator de ‘A Província do Pará’.

Mas, o que encanta em Antonio Tavernard é poesia que, sem muitos mistérios, transformou a dor em alegria. Michael Löwy e Robert Sayre, na obra Revolta e Melancolia (1995), já haviam destacado que o Romantismo, de certa maneira, nunca saíra de moda. Por essa visão, não podemos dizer que Tavernard seria um romântico “tardio”, porém, que sua poesia possui algo que ainda não desapareceu na poesia. Ela guardaria uma mistura de tendências e inspirações românticas do século 19 e o Simbolismo. O leitor mais atento pode ver mais do que uma simples conservação do Romantismo.

Detalhes

Foi jornalista, dramaturgo e compositor, além de poeta lírico, falando de amor, morte e esperança, morreu em 1936.

Foi um dos redatores da revista A Semana, uma das mais importantes a circular em Belém na década de 1930.

Pesquisadores afirmam que Tavernard publicou apenas um livro em vida, o livro Fêmea, mas um dos parentes do poeta, Tavernard Neves, informou que em 1953 foi editado o livro de poesias "Místicos e Bárbaros".

Principais obras

Poesia

• Fêmea'

• Os Sacrificados

• 1953: Místicos e Bárbaros (publicado postumamente)


Teatro

• A Casa da viúva Costa

• A Menina dos 20 mil

• Seringadela


Produção musical

• Foi Boto Sinhá

• Romance

• Matinta-perera

• Hino do Clube do Remo


Curiosidades

• Os Sacrificados, de autoria do poeta, está desaparecido e nem mesmo seus parentes sabem onde estão os originais.

• Foi parceiro do maestro Waldemar Henrique.


Homenagem

Na localidade onde o poeta nasceu em 1908, foi inaugurada em 13 de junho de 2008, uma Biblioteca Comunitária que homenageia o nome deste grande ícone da literatura amazônica. A Biblioteca surgiu da necessidade de resgatar o nome do poeta na própria localidade onde ele nasceu. Possui um acervo de um pouco mais de seis mil obras e está aberta para a comunidade com seus serviços de informação e cultura. Hoje o casarão antigo do século passado, agoniza em um lento processo de deterioração.


Vale à pena ler e refletir sobre os poemas de Antonio Tavernard.

Pórtico

Eu quisera, em meus versos, a alvorada
de todas as belezas triunfais...
que eles tivessem a auréola imaculada
do sol de madrugada...
e que neles cantassem sabiás...
que fossem álacres como pensamentos
de crianças em férias, mais vibrantes
que pendões de palmeiras drapejantes
às carícias brutais, bruscas dos ventos
e mais ardentes do que dois amantes
no seu beijo melhor... deslumbramentos
de meios-dias tropicais fulgissem
em suas estrofes como luz das gemas...
que ora murmurassem, rugissem...
e semeassem bênçãos e anátemas...

Lacrimario
(Do diário de um tísico)

Quando eu era criança...
(Parece incrível que eu já tenha sido
criança como parece incrível a tormenta
que já fora bonança).
Quando eu era criança,
e tinha febre leve ou violenta,
e o doutor vinha, grave majestoso,
mamãe dizia: – “Se o filhinho,
tomar o seu remédio direitinho,
papai comprar-lhe-á um brinquedo mimoso
e mamãe há de dar-lhe um beijinho gostoso!”

Mamãe dizia...

E os líquidos amargos, forçando o meu desejo
eu depressa bebia...
Por causa do brinquedo, e pelo beijo...
Também parece um sonho, um sonho lindo,
que pai e mãe eu haja possuído...
Pena é que o sonho tenha terminado,
e que agora eu passe as noites acordado
escrevendo e tossindo!

Estou muito doente. Os médicos vieram
Sacudiram a cabeça, receitaram,
E se foram depois... e não voltaram...
Mas bebi tudo que me deram,
E, se é demais a dor que às vezes vem
O peito me rasgar, choro baixinho...
Não vá meu choro incomodar alguém!

A dar-me água quando estou com sede,
Mamãe já não está
Junto de mim, a balançar-me a rede
Pra lá, pra cá...
Abençôo, contudo, este abandono,
Esta vida infeliz de cão sem dono,
Porque, se aqui estivesse,
Mamãe de dor se tornaria louca,

Se ao menos percebesse
O lenço rubro, com que enxugo a boca
Que todos temem, que ninguém mais quer
e que ela seria
a única mulher
que para ungir, para suavizar,
talvez tivesse – sim teria! –
coragem de beijar...
(E o poeta morreu. Morreu sozinho,
rosa sem haste, pássaro sem ninho.
E, morto, ele sorria, como, quando,
Ia, criança, as pálpebras cerrando
No colo maternal).

Sonhos de Sol

“Nesta manhã tão clara é sacrilégio
o se pensar na morte. No entanto
é no que penso úmidos de pranto
os meus olhos cansados.

Sortilégio
de luz pela cidade... As casas todas,
humildes e branquinhas
lembram gráceis e tímidas mocinhas
no dia de suas bodas.

Morrer assim numa manhã tão linda,
risonha, rosicler,
não é morrer... é adormecer ainda
na doce tepidez de um seio de mulher!
Não é morrer... é só fechar os olhos
Para melhor sentir o cheiro do jasmim
Escondido da renda nos refolhos!...
Ah! Quem me dera que eu morresse assim.

Visita de Santo

Meu S. João,
na noite do vosso dia,
com fogueiras brilhando de alegria,
com alegras cantando num rojão,
parai um pouco na melancolia
do meu portão!

Ponde aqui o cordeirinho!...
Sentai no banco a meu lado!...

Tanta estrela no céu, e eu tão sozinho!...
Na terra, tantos sons, e eu tão calado!...

Meu santo bom, por outra noite vossa,
igual a esta (que lembrá-la possa
durante a vida que viver eu vou!...),
mandei-vos, num balão, um sonho lindo
que foi subindo,
foi subindo,
foi subindo,
té que, muito no alto, se queimou...

Mal de muitos?... Eu sei...
Mas também sei
que nunca mais outro balão soltei.
Nunca mais, nunca mais...

........................................................................

Que brisa fria!...

Lá vem o sol como balão dourado!
Levantai-vos, partis?!... Muito obrigado!
DEUS vos pague no céu, meu S. João,
esta parada na melancolia
do meu portão!...

Última Carta

"Sobre o leito de morte do poeta, foi
encontrado esse papel cheio de letras
trêmulas e manchado de lágrimas".
Por que não me vens ver? Estou doente...
É possível que morra com o luar...
Anda, lá fora, um vento, tristemente,
as ilusões das rosas a esfolhar.
E, aqui dentro, na alcova penumbrada,
onde arquejo, sozinho, sem sequer
a invisível presença abençoada
de um pensamento meigo de mulher,
há o desconsolo imenso, a imensa dor
de alguém que vai morrer sem seu amor...

De quando em quando,
o coração, que sinto
cada vez mais cansado, se arrastando,
marcando o tempo, recontando as horas,
pergunta-me, num sopro quase extinto,
quando é que virás...

Volta depressa, sim?... Se te demoras,
já não me encontrarás...

Ouço, longe, a gemer de harpas eólias...
É de febre... Começo a delirar...
Desabrocham, no parque, as magnólias...
Vem surgindo o luar...
E, como a luz do luar que vem nascendo,
eu vou aos poucos, meu amor, morrendo...

Esforço vão

No limiar da criação, fremefremindo
O meu pensamento pára...É a hora maga...
Hora fecunda, benéfica ou aziaga...:
A idéia, lenta, pouco a pouco, vai surgindo,
Tímida, arisca, vacilante, vaga...
Definida, depois...Então, reunindo
Os vocábulos vou para a ir vestindo
Com a pompa lapidar da forma... chaga
De luz é a inteligência nesse instante...
Dela escorrem, qual sangue fulgurante,
As frases tracejadas a correr...
Mas o ponto final tomba gelado...
E eu sinto, então, como um desencantado,
Toda a inutilidade de escrever.

Meu velho Violão
(Para você, minha amiga, estes versos imperfeitos, mas cheios de coração.)

Meu velho violão coberto de poeira,
a dormitar num canto em nostalgia
imóvel para sempre - pasmaceira
feita de tédio e de melancolia.
.
Não recordas as noites em que eu ia
contigo no peito, a sombra companheira,
dois loucos a cantarem nessa elegia
que era a alegria da paixão primeira?
.
Tudo depois mudou...Calei, calaste
dês a trágica vez em que vibraste
inutilmente sob a sua janela...
.
Foi como se morresses...Entretanto,
se, sem querer, te roço em teu recanto,
soluças-me, baixinho, o nome dela.

Notas sobre o Poeta:


Tavernard foi o mais corajoso poeta que Belém já teve, e é também o mais saudoso porque ninguém mais será feliz diante de tão temerário sofrimento, esse sofrimento contido pela força e pela beleza de sua poesia.

Carlos Correia Santos tinha razão quando comentou: "Se Antonio Tavernard tivesse nascido numa Lisboa daquela época, ele era muito mais do que um Fernando Pessoa hoje em dia. Eu cometo a loucura de dizer isso, porque a poesia do Tavernard, seja no poema, no teatro, no conto, fala com coisas nossas que são atemporais".

Fontes Pesquisadas:


• Enzo Carlo Barrocco
Extraído de "Tavernard, Pássaro Doente" do seu "Recanto das Letras"
• Benilton Cruz
Extraído de seu "Mente, Poeta (Consideraçoes sobre o poeta Antonio Tavenard)"
• Wikipédia
Extraído da Eniclopédia livre de Antonio Tavenard
• Carlos Correia Santos
Extraído do seu "Comentario sobre a obra de Antonio Tavernard", no portal Janela Cultural

6 comentários:

  1. Amigos poetas blogueiros, parabéns por utilizarem a internet como forma de dividir com o mundo o seu pensar, o seu compreender, desempenhando a missão do poeta que é se afirmar como ser humano, sobretudo perante si mesmo, captar os arquétipos coletivos de sua época e princípios universais, permitindo após compreender-se ou não compreender-se, que pela sua obra os da sua época tenham referência alternativa para fazer a leitura do mundo e as gerações posteriores entenderem a própria história da humanidade. Tudo temperado pelo sonho, pela sensibilidade e pela utopia. PASSOU A ÉPOCA DE ESCREVERMOS E GUARDAR NA GAVETA NOSSAS CRIAÇÕES DEPOIS DOS MAIS PRÓXIMOS FINGIREM TER LIDO PARA NOS AGRADAR. Através do meu blog quero aprensentar-lhes a video-poesia, que usa várias linguagens de uma só feita, a serviço do texto. Se gostar divulgue e compartilhe com os seus contatos. Acessar em:

    www.valdecyalves.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde.

    Senhores, como fã e pesquisadora da obra de Antônio Tavernard, gostaria de parabenizar o blog por postar uma artigo sobre o poeta. Tavernard já ficou um pouco esquecido durante alguns anos e hoje, graças aos bons olhos dos novos estudiosos, ganha o espaço que sempre mereceu na mídia e nas pesquisas. No entanto, gostaria de, gentilmente, apontar-lhes duas gralhas cometidas neste post: primeiramente não era essa a casa dos Tavernard como vocês podem comprovar em outras publicações. E "Místicos e bárbaros" não é um romance, é um livro de poemas, uma coletânea dos "principais", digamos assim, para aqueles que almejam ter uma visão geral do que foi o todo da poesia tavernardiana.
    Mais uma vez gostaria de parabenizar todos vocês pela bela iniciativa.
    Grande Abraço,
    Izabela Alves Jangoux

    ResponderExcluir
  3. Izabela, feita a correção. E obrigado pela força. Por favor, mande-nos matéria desse grande poeta paraense, viu?
    Abs.

    ResponderExcluir
  4. Boa Tarde, queridos fiquei feliz com o site, estarei defendendo uma tese de doutorado agora em Março na UFBA. Sobre a Dramaturgia de Antônio Tavernard, faço uma análise descritiva e transversal sobre a obra A Casa da Viúva Costa, poderíamos depois trocar informações.
    Abraço e parabéns
    SUZANE PEREIRA

    ResponderExcluir
  5. HOMENAGEM AO SOBRINHO DE ANTONIO TAVERNARD.
    SOU SIDNEY RIVERO TAVERNARD PRIMO E AFILHADO DO TAVERNARD NEVES. HOMEM QUE DEDICOU SUA VIDA AO ESPORTE ERA UM BALUARTE DA IMPRENSA ESPORTIVA DO NORTE. SOU DE PORTO VELHO-RONDÔNIA, ONDE ELE TAVERNARD NEVES FILHO DE MINHA TIA ANA DE LOURDES TAVERNARD NEVES, MOROU NA DÉCADA DE 1950, COM MEU SAUDOSO PAI E SEU TIO SIMEÃO FRAZÃO TAVERNARD. SIMEÃO ERA EX-GOLEIRO DO PAYSANDU, REMO E TUNA LUSO E SELEÇÃO PARAENSE. TENHO ORGULHO DE MEU PADRINHO E PRIMO E PRESTO MINHA SOLIDARIEDADE AOS DESPORTISTA DO PARÁ QUE SENTIRÃO SUA FALTA. HOJE ESCREVO NO JORNAL O ESTADÃO DO NORTE DE PORTO VELHO. A COLUNA RETALHOS DO FUTEBOL. UMA COLETÂNEA DE ARTIGOS SOBRE FUTEBOL QUE MEU PAI ESCREVEU NA DÉCADA DE SESSENTA. FIQUE NA SANTA PAZ DE DEUS COM SEU TIO (SIMEÃO) E SEU PAI CÉLIO MAIS SEU FAMOSO TIO,O POETA ANTÔNIO TAVERNARD AUTOR DO HINO DO CLUBE DO REMO. QUE ERA O TIME DO CORAÇÃO DE TAVERNARD NEVES E DE MINHA FAMÍLIA.

    ResponderExcluir
  6. Esta casa não é Casa do poeta Antônio Tavernard. Ela é chamada de Tavares Cardoso que abrigava a Biblioteca Avertano Rocha que infelizmente está em ruínas.Acorda prefeitura de Belém.

    ResponderExcluir